Investimento em Fatores – Vencedores menos Perdedores

Investimento em Fatores – Vencedores menos Perdedores


“Compre barato e venda caro!” Essa frase todos devem ter ouvido quando perguntado a alguém como ganhar dinheiro com ações.

E se fosse proposto “Comprar caro e vender mais caro ainda”? Em resumo, isso é o investimento em momentum. Compra-se os vencedores (ações que estão subindo) e vende-se os perdedores (ações que estão caindo).

Os primeiros artigos acadêmicos sobre o fator de momentum foram apresentados nos anos 90, testando dados de retornos de empresas americanas entre os anos 60 e 80. Nestes artigos, foram encontradas evidências que ações americanas cuja performance foi boa durante um determinado período, continuavam a gerar retornos positivos nos períodos seguintes, enquanto que ações que tiveram uma performance ruim no passado continuavam a ter retornos negativos nos períodos seguintes.

Nossa proposta nesse artigo é aplicar um modelo similar ao proposto em 1993 por Jegadeesh and Titman, Returns to Buying Winners and Selling Losers: Implications for Stock Market Efficiency.

No modelo proposto utilizamos como base as ações do IBrX-100. Compraremos 20% das ações do índice que apresentarem os melhores resultados (vencedoras) e venderemos 20% das ações que apresentarem os piores resultados (perdedoras), em uma estratégia cash neutral, ou seja, sem que sejam aplicados recursos na operação. As carteiras são atualizadas trimestralmente.

O modelo utilizado para obter os resultados consiste na ordenação das ações pelo retorno que tiveram nos últimos 5 meses, descontando o retorno do último mês. Os retornos de curtíssimo prazo (1 mês) exibem uma reversão nos retornos, conforme evidenciado por Jegadeesh (1990) e Lehman (1990).

Os resultados obtidos são interessantes, com um retorno anual de 18,81% enquanto o CDI gerou um retorno de 11,07% ao ano. A volatilidade desta estratégia é alta, 24,04% e o Índice de Sharpe 0.33, mas o grande prejuízo da aplicação deste modelo é o “crash” que ocorreu no início de 2016 e se perpetua até o início de abril/2017, como é possível ver no gráfico abaixo.

Essa quebra já havia sido notada por pesquisadores deste fator e citada em artigos acadêmicos, como o publicado por Daniel Kent e Tobias J. Moskowitz (2014).

retorno de uma estratégia de investimento comprada em ações que mais subiram e vendido em ações que mais caíram, em comparação com o retorno do CDI

Em geral, as quebras nos modelos de momentum ocorrem em momentos posteriores a grandes quedas nos preços dos ativos, como ocorreu no Brasil em janeiro/2016, pois em períodos seguintes, os grandes perdedores tendem a se recuperar mais que os “vencedores”.

Para evitar que a quebra ocorra, pode-se optar por não efetuar posições short (vendidas) e apenas comprar os vencedores. Desta forma, o evento de quebra não está mais presente, mas não são raros os períodos em que os vencedores não tenham gerado retornos positivos. A estratégia apresentam um retorno anual de 19,46% versus 11,07% do CDI, com volatilidade de 23,23% e Sharpe de 0,36.

retorno de uma estratégia de investimento comprada em ações que mais subiram, em comparação com o retorno do CDI

Mais uma vez, os modelos propostos não contabilizam os custos transacionais de troca de carteira nem os custos de aluguel quando efetuada a venda de ativos.

Os modelos de momentum podem ser aprimorados, por exemplo, através da alocação de recursos intra-setorial ao invés de ser feita em inter-setorial. Outro procedimento seria utilizar o risk parity para reduzir a exposição ao risco de uma maneira geral.

No próximo artigo, apresentaremos uma carteira combinando a estratégia do artigo anterior com a apresentada nesse artigo utilizando diferentes técnicas de alocação.

Enquanto isso, veja a performance histórica de nosso fundo.

Avantgarde Capital
Av. Dr. Chucri Zaidan, 1550
Conjunto 305 - Capital Corporate Office
CEP 04711-130 – São Paulo – SP

A Avantgarde Capital Gestão de Recursos Ltda. (“Avantgarde Capital”) não comercializa nem distribui quotas de fundos de investimento ou qualquer outro ativo financeiro. As informações contidas nesse material são de caráter meramente informativo e não constituem qualquer tipo de aconselhamento de investimentos, não devendo ser utilizadas com este fim. Os investidores não devem se basear nas informações aqui contidas sem buscar o aconselhamento de um profissional. A rentabilidade obtida no passado não representa garantia de rentabilidade futura.

Nenhuma informação contida nesta apresentação constitui uma solicitação, oferta ou recomendação para compra ou venda de quotas de qualquer fundo de investimento gerido ou patrocinado pela Avantgarde Capital ou de quaisquer outros valores mobiliários.

Fundos de investimento não contam com a garantia do administrador, do gestor da carteira, de qualquer mecanismo de seguro ou, ainda, do Fundo Garantidor de Créditos – FGC.

Alguns fundos utilizam estratégias com derivativos como parte integrante de sua política de investimento. Tais estratégias, da forma como são adotadas, podem resultar em significativas perdas patrimoniais para seus cotistas, podendo inclusive acarretar perdas superiores ao capital aplicado e a consequente obrigação do cotista de aportar recursos adicionais para cobrir o prejuízo do fundo.

É recomendada ao investidor a leitura cuidadosa do prospecto e do regulamento de cada fundo ao aplicar seus recursos.